2 Pratos Incontornáveis da Gastronomia Portuguesa

Imagem-publicação-Escreva para Nós-2 Pratos Incontornáveis da Gastronomia Portuguesa

A cozinha portuguesa é surpreendentemente rica. Isso já todos sabemos. Qualquer que seja o tipo de prato, a nossa gastronomia oferece várias opções de excelência. Mas e se tivéssemos de escolher um prato salgado e outro doce que estejam profundamente arraigados no paladar das poluções?

Francesinha

Imagem-publicação-Escreva para Nós-2 Pratos Incontornáveis da Gastronomia Portuguesa-Francesinha

Acreditamos que não há qualquer português que nunca tenha ouvido falar da francesinha. Na verdade, muito poucos nunca experimentaram esta iguaria do Norte.

É simplesmente inegável que a francesinha é uma verdadeira bomba calórica, mas é um prato que faz

as delícias de incontáveis portugueses, os quais, pelo menos ocasionalmente, não conseguem resistir a apreciar esta ímpar comunhão de sabores.

Se quer provar uma francesinha de qualidade incomparável deve ir ao Porto. Ou pelo menos, procurá-la na região norte. Imagine uma simples sandes de queijo e fiambre. Agora tente idealizar como seria o conceito levado ao extremo.

Não pense mais. O expoente máximo é nada menos do que a francesinha. A quantidade de queijo é mais do que triplicada. E nem vale a pena começarmos a falar da quantidade de enchidos. Digamos apenas que o resultado final é, no mínimo, de encher a barriga. Em cima de tudo, falta espalhar o famoso molho.

Ao longo dos tempos, incontáveis restaurantes, tascas e bares no país, desde os pontos gastronómicos de baixo custo às alternativas de calibre gourmet, têm ajustado a receita da francesinha ao seu menu. Acredite no que dizemos. Ao todo, de norte a sul de Portugal,existem dezenas ou centenas de versões da francesinha dignas de experimentar.

Arroz doce

Imagem-publicação-Escreva para Nós-2 Pratos Incontornáveis da Gastronomia Portuguesa-Arroz doce

De uma bomba calórica salgada passamos a uma bomba calórica doce. É verdade, os portugueses têm um carinho especial por pratos bem sustentáveis. Felizmente, a maioria não os come regularmente. Por isso, quando são servidos, é como se fosse dado o apito para celebrar com a família e os amigos.

O arroz doce é um desses pratos que invocam um sentimento familiar, reconfortante, comemorativo e intemporal. No fundo, português. De facto, ninguém pode contestar que a autoridade nacional no que toca à arte de fazer um belo arroz doce são as avós lusitanas.

Praticamente em cada região de Portugal, há uma variação típica da receita de arroz doce, muito à semelhança do que se passa com a francesinha. No entanto, um ponto é universal: a consistência deve ficar similar à de um pudim. Geralmente, os apreciadores preferem que se use limão na cozedura e que, no final, o arroz seja polvilhado com canela.

O arroz doce é uma iguaria que alcança um equilíbrio memorável e harmonioso entre sabor, fragrância e textura. À primeira colherada, o corpo enche-se de conforto.

Admita. Já está cheio de vontade de ter uma bela francesinha ou um delicioso arroz doce à sua frente.

Deixe uma resposta